LZD

UMA ESCOLA PARA GUINÉ BISSAU

Guiné Bissau, África

2010

 

Concurso IAB DF

 

Área Construída

830,00 M²

 

Arquitetura

Zeca Franco

Angela Lourenço

Cesar Jordão

Christiane Duarte Teixeira

Hervé Logéat

Jackeline Garcia

Lina Correa

 

Consultoria (aproveitamento de água da chuva e tratamento de esgoto)

Antonio Cláudio Abreu

“As primeiras tentativas conscientes de desenho de edifícios públicos podem ser atribuídas aos habitantes do sul da Mesopotâmia durante os últimos séculos do quarto milênio AC. Um país sem pedra ou madeira foi construído com tijolos secados ao sol.” GranArquitectura Del Mondo” John Julius Norwich (org)

 

O ponto de partida deste trabalho foi o material a ser usado na construção da escola.  O conhecimento das condições locais em Guiné Bissau levou a adoção do tijolo de solo cimento em prensagem manual.

 

Toda a construção será elevada em cerca de 1,20 do terreno, porque a área é sujeita a alagamentos. Abóbodas, ditas de piso, sobre baldrames corridos, vão evitar movimentos grandes de terra ao reduzir o volume de aterro necessário. Do mesmo modo, abóbodas de berço cobrirão o conjunto construído. Perfurações em seu topo permitirão que a luz natural chegue aos espaços internos. Não haverá janelas envidraçadas.

 

Os bongolós

 

Com geometria em cúpula, vão ser construídos com tijolos do mesmo tipo dos usados no edifício principal. Sua disposição em praça elevada a 80 cm do solo procura estabelecer relação de vizinhança com as salas de aula, sem, no entanto, comprometer o sossego necessário ao desenvolvimento das atividades escolares.